ECMOFOBIA, porque 14 picadelas por dia deixam qualquer um ecmofóbico...

domingo, 20 de novembro de 2011

HG1-c: nCGM (noninvasive continuous glucose monitoring)

An nCGM is a device used to continuously measure glucose levels without having to puncture, cut or disturb the skin in any way. C8 MediSensors HG1-c is an nCGM that uses a light-sensitive sensor when detecting your body's glucose levels (

Parece bom demais para ser verdade!! Saiba mais aqui: 

domingo, 16 de outubro de 2011

Function of Type 1 Diabetes Genes

'Type 1 diabetes (T1D) is characterized by autoimmune destruction of insulin-producing pancreatic beta cells.  It has a strong genetic basis that is modified by environmental factors.  T1D is a “polygenic” disease; it arises from the interaction of variations in multiple genes. Many studies have been conducted to identify genes for T1D. Just a few years ago, only five genes involved in the disease were known. Now approximately 50 genes or gene regions have been identified. 
Recently, the application of genome-wide SNP typing technology to large sample sets by The Type 1 Diabetes Genetics Consortium (T1DGC) and its collaborators and other investigators, and comparisons with results from other immune-mediated diseases, have provided convincing support for approximately 50 genes or gene regions that significantly affect the risk T1D.  Although more than 70% of heritability has been identified, work is already underway to identify the missing heritability.  The remaining missing heritability for T1D is likely to be explained by as yet unmapped common variants, rare variants, structural polymorphisms, and gene-gene and/or gene-environmental interactions, in which we can expect epigenetic effects to play a role. Thus additional work is needed to identify causal genes and potential causal variants for further differentiation in allele-specific expression and genotype-to-phenotype studies. The examination of the T1D genes and their pathways may reveal the earliest pathogenic mechanisms that result in the engagement of the innate and adaptive immune systems to produce massive β-cell destruction and clinical disease and provide leads for new therapeutic targets.
It has been observed that some of the genes that predispose to T1D are common with other autoimmune diseases (e.g. PTPN22) and these could lead to generalized autoimmunity whereas others may be specific to T1D. Unraveling of the mechanisms whereby changes in the function or regulation of these genes alter T1D risk is likely to provide crucial new insights into disease pathogenesis. In addition, there are many human T1D regions for which there is no compelling functional candidate gene ( and thus additional work is also needed to identify causal genes and potential causal variants and elucidate the mechanisms whereby changes in the function or regulation of these genes are likely to provide crucial new insights into disease pathogenesis. The discovery of the genes would be relevant to developing a predictive strategy for individuals who may develop diabetes as well as new targets for therapy. In the future, genetic testing may lead to personalized treatment regimens by identifying the most appropriate class of drugs for particular patients.'

Este texto foi retirado de um anúncio para candidaturas a um fundo que patrocina a investigação nesta área. Um dia destes ficamos a saber todos os 'porquês'!! Leia tudo aqui

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Bad Hypos in Kids Decreasing

Bad Hypos in Kids Decreasing

Boas notícias! :)

A Western Australian study has found that rates of severe hypoglycaemia declined dramatically in the past decade.
The study out of the Department of Endocrinology and Diabetes at the Princess Margaret Hospital in Perth, found that rates of severe hypoglycaemia in children with Type 1 diabetes declined two thirds between 2000 and 2009.
The study also showed that glycaemic control stayed the same in that time, with the link between glycaemia and risk of hypos growing weaker. There was also no longer an increased risk of severe hypoglycaemia in children under six years old.
The study authors said that the reduction “may have resulted from changes in clinical practice”, including recent developments in new insulin regimes and improved monitoring and management.
JDRF CEO Mike Wilson says “This study demonstrates real results of JDRF’s constant promotion of improved monitoring regimes, and reminds us how important good management is”.
Diabetes Care 2011; doi: 10.2337/dc11-0748

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Guardian REAL - Time CGM System

E começa mais um ano lectivo, desta vez, no 1º ano, do 1º ciclo!!! Está um crescido o meu menino!!!
Não obstante o acréscimo do n.º de horas diário que o Pedro estará na escola e tudo o que isso implica (até agora fez sempre todas as refeições em casa), contamos com uma ajuda preciosa - o Guardian REAL-Time System da Medtronic, que mais não é que um medidor contínuo de glicémia!!!
Muito resumidamente, o que este aparelho faz é mostrar uma medição de glicose actualizada em tempo real, de cinco em cinco minutos e um gráfico, num pequeno monitor semelhante a um telemóvel; Ao fim dos 6 dias de duração do sensor, descarregamos a informação numa plataforma própria e ficamos com um magnífico relatório com 'n' gráficos, realizados com todos os valores medidos e, se tivermos introduzido essa informação, com a sua relação com os hidratos de carbono ingeridos e as unidades de insulina administradas. Este relatório permite identificar o padrão diário do 'comportamento' da glicémia e fazer os reajustes necessários no tratamento.
Mas o que este aparelho tem de absolutamente fantástico, é que emite alertas de baixas previsíveis de glicémia e de hipoglicémia (e de hiperglicémia também, se for configurado para isso)!!! Ou seja, sempre que os valores de glicémia estiverem a cair demasiado rapidamente, o aparelho avisa-nos, para que possamos agir antes de a hipoglicémia acontecer!!!
Devo dizer que o Pedro adora o aparelho, até porque se sente mais seguro com ele colocado. Sentimo-nos todos bem mais seguros, professores incluídos!
Num próximo post, partilharei fotos e excertos dos relatórios.
Até lá!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Meet Coco, 1st Disney Character with type 1 diabetes

Meet Coco, 1st Disney Character with Diabetes

July 13, 2011 by David Edelman

At this year’s Children With Diabetes conference, Disney introduced a special new character named Coco.  Coco is a young monkey with type 1 diabetes! She sports a trendy diabetes bracelet and is friends with Mickey, Minnie, Goofy and the rest of the gang.
Coco is the star of an upcoming book called Coco and Goofy’s Goofy Day. Lorraine, who blogs about her son Caleb and his experience with diabetes, explains the moral of the story:

Coco shows Goofy that she can go to the party, play games, win contests, and eat cake and ice cream.  This is an important message that we’ve seen delivered in other stories. Lilly Diabetes and Disney take the story a progressive step further.
Coco and other guests partake in but don’t overdo it when it comes to treats. Goofy however, because it’s his birthday, chooses to eat anything and everything he can. As a result of these choices, Coco and others are still going strong and playing and having fun at the end of the party. Goofy, on the other hand, doesn’t feel well and his friends have to take him home in the wagon he brought for Coco because he was worried she would need it because of her diabetes.
The lesson: moderation is important for all people, not just those with diabetes.

Thank you, Disney, for giving kids with diabetes someone like them to stand next to Mickey, Minnie, Donald and Goofy!

Continue a ler aqui.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

A personal experience of CGM

Aqui fica um excerto de um texto giríssimo publicado por um funcionário da JDRF que não sofre de T1D, mas que quis experimentar um medidor contínuo de glicémia, para perceber um bocadinho melhor como é viver com esta doença. Leia tudo aqui: A personal experience of CGM

So what is CGM? It is not a replacement for fingerpricks, that’s for starters. The benefit of CGM is a more detailed picture of the daily journey of glucose levels. Comparing CGM to fingerpricks is kind of like comparing Facebook to Twitter. Facebook has photos, games, lists, movie preferences and periodic status updates, while Twitter condenses the nuances of daily life and captures it all in 140 characters. They do different things but if you’re dedicated to social media, you appreciate them both.

CGM measures interstitial fluid; a fluid with which I was not previously familiar. Interstitial (which is pronounced inter-stish-ul) is the fluid between cells in tissue. Glucose hits blood first and interstitial fluid later. CGM takes a reading every 10 seconds, then batching that info into 5 minute averages to send to the monitor, so it gives a different level of information to a fingerstick. The trend information on the monitor and the ability to review and visualise daily movements can help to read the past and predict the future of blood glucose.
So CGM doesn’t give you an escape card from fingerpricks. Fingerpricks give a more accurate, point in time reading of blood glucose. I learned that the quality of the information you get out of CGM is dependent on the information you put in. When you give the CGM a fingerprick reading, it helps produce accurate trend charts. The accepted range is that CGM readings can vary from a fingerprick by 20%.
It was fascinating to see the glucose trends after meals. My daily carb hit is my big morning bowl of porridge. To see the impact on my glucose in black and white on the little CGM screen was quite compelling. To be honest, I spent a fair bit of time peering at my tiny little screen. It became a bit compulsive.

I really tried to understand those little numbers, I tried to predict. Sometimes that was possible, other times not. I gained a tiny sliver of understanding of the intense frustration that people with type 1 diabetes experience when levels don’t do what they’re supposed to. I can see how your mood can become tied to that little (or not so little) number. You do everything right, you weigh, you measure, and still the result comes out all wrong. Kind of like baking a cake without a recipe. Or, with a recipe but being really bad at baking.
By a JDRF staff member

terça-feira, 7 de junho de 2011

Gene therapy reverses type 1 diabetes in mice, study finds.

ScienceDaily (June 6, 2011) — An experimental cure for Type 1 diabetes has a nearly 80 percent success rate in curing diabetic mice. The results, being presented at The Endocrine Society's 93rd Annual Meeting in Boston.The therapy attempts to counter the two defects that cause this autoimmune form of diabetes: autoimmune attack and destruction of the insulin-producing beta cells by T cells. First, the researchers genetically engineer the formation of new beta cells in the liver using neurogenin3. This gene defines the development of pancreatic islets, which are clusters of beta cells and other cells. Along with neurogenin3, they give an islet growth factor gene called betacellulin to stimulate growth of these new islets.
The second part of the therapy aims to prevent the mouse's immune system from killing the newly formed islets and beta cells. Previously the research team combined neurogenin3 with the gene for interleukin-10, which regulates the immune system. However, with that gene, they achieved only a 50 percent cure rate in diabetic mice, Yechoor said.
In the new study, the investigators added a gene called CD274 or PD-L1 (programmed cell death 1 ligand-1). It inhibits activity of the T cells only around the new islets in the liver and not in the rest of the body, he explained.
"We want the gene to inactivate T cells only when they come to the new islet cells. Otherwise, the whole body would become immunocompromised," Yechoor said.
This treatment reversed diabetes in 17 of 22 mice, or 78 percent.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

New trick for re-growing beta cells | Type 1 Diabetes Blog - Juvenile Diabetes Research Foundation

New trick for re-growing beta cells | Type 1 Diabetes Blog - Juvenile Diabetes Research Foundation

JDRF-funded researchers from Israel have released the results of a five-year study in which they successfully used a new class of drug to trick mice with diabetes to re-grow their own insulin-producing beta cells.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Some Type 1 Diabetics Seem Shielded Against Complications

The Joslin 50-Year Medalist Study

OBJECTIVE To assess complication prevalence and identify protective factors in patients with diabetes duration of ≥50 years. Characterization of a complication-free subgroup in this cohort would suggest that some individuals are protected from diabetes complications and allow identification of endogenous protective factors.
RESEARCH DESIGN AND METHODS Cross-sectional, observational study of 351 U.S. residents who have survived with type 1 diabetes for ≥50 years (Medalists). Retinopathy, nephropathy, neuropathy, and cardiovascular disease were assessed in relation to HbA1c, lipids, and advanced glycation end products (AGEs). Retrospective chart review provided longitudinal ophthalmic data for a subgroup.
RESULTS A high proportion of Medalists remain free from proliferative diabetic retinopathy (PDR) (42.6%), nephropathy (86.9%), neuropathy (39.4%), or cardiovascular disease (51.5%). Current and longitudinal (the past 15 years) glycemic control were unrelated to complications. Subjects with high plasma carboxyethyl-lysine and pentosidine were 7.2-fold more likely to have any complication. Of Medalists without PDR, 96% with no retinopathy progression over the first 17 years of follow-up did not experience retinopathy worsening thereafter.
CONCLUSIONS The Medalist population is likely enriched for protective factors against complications. These factors might prove useful to the general population with diabetes if they can be used to induce protection against long-term complications. Specific AGE combinations were strongly associated with complications, indicating a link between AGE formation or processing with development of diabetic vasculopathy.

segunda-feira, 14 de março de 2011


Coragem, é o que falta no título deste blogue - também é preciso coragem para tratar um filho com diabetes tipo 1.
E é o que me tem faltado a mim...
Coragem para administrar as quantidades certas de insulina (se é que semelhante coisa existe - tenho por experiência que o que serve hoje, não é necessariamente o mais indicado para amanhã...). Continuo paralisada por este pavor das hipoglicémias... Dou sempre um bocadinho menos do que está na tabela, para não correr riscos... O problema é que nos libertamos do risco de hipoglicémia, para mergulharmos de cabeça no risco de complicações graves... Enfim, na prática, vivemos em cima de uma corda bamba e tudo se resume a cair para um dos lados a qualquer momento, ou cair para o outro daqui a uns anitos, não muitos... Resta-me esperar pela cura... esperar que venha a tempo... Até lá, espero conseguir um meio-termo...
(Hoje foi dia de consulta)

quinta-feira, 3 de março de 2011

Potential anti-rejection drug for insulin cell transplantation

Potential anti-rejection drug for insulin cell transplantation

MEDIA RELEASE: 01 Mar 2011

Australian scientists have developed a reagent with the potential to prevent rejection of transplanted insulin-producing cells into people with Type 1 diabetes – one of the most promising immunology developments in recent years.
Given to diabetic mice for two weeks, starting the day before islet transplantation, the reagent allowed mice to accept the donor cells as their own – with no need for immunosuppressive drugs, and no Type 1 diabetes. Permanently.

The reagent is a cloned a cell surface receptor that mops up a harmful molecule known as IL-21, which appears to cause Type 1 diabetes. The cloned receptors compete with similar receptors on the body’s own killer immune cells, preventing them from destroying the transplant.
“In this study, we’ve shown definitively that if the body’s killer T cells don’t get IL-21, they don’t reject the islet tissue. ”
Dr Dorota Pawlak, Head of Research Development at the Juvenile Diabetes Research Foundation, said that the ability to replace insulin producing cells safely in people with Type 1 diabetes without the need for immune suppression would be a revolution for diabetes research. “This finding represents progress and it is important to acknowledge and honour advances that take us closer to finding a cure for Type 1 diabetes.”

The findings are published in the international journal Diabetes, now online.
Department of Immunology, Garvan Institute of Medical Research, Darlinghurst, New South Wales, Australia
Research Group: Mucosal Autoimmunity

quarta-feira, 2 de março de 2011

Hoje fazemos 2 anos de diagnóstico...

Hoje fazemos 2 anos de diagnóstico... Acho que posso dizer que estamos todos adaptados. A ansiedade persiste, mas já não nos impede de permitir que o Pedro faça parte da vida dos seus amiguinhos - participa nas visitas de estudo, vai às festas de aniversário, enfim, faz o que é normal para a idade. Quando digo todos, refiro-me ao Pedro, evidentemente e à sua equipa de cuidadores - mãe, pai e vovó Teresa. Claro que a disponibilidade e o apoio das médicas do Pedro também ajuda muito. Não imagino como seria se tivesse que suportar isto sozinha. Ainda assim, continua a não ser fácil... não me consigo libertar desta angústia, desta aversão às picadelas, desta sensação de futuro roubado... Mas já vou chorando menos - a esperança na cura e os avanços tecnológicos da medicina, nomeadamente os que dizem respeito ao tratamento das complicações desta doença, vão-me dando uma perspectiva menos negra do amanhã.
Há 2 anos, em meados de Fevereiro, o Pedro começou a perder muito peso e a beber muita água e o Google sempre a devolver "diabetes tipo 1" nas pesquisas que eu fazia... E eu a negar o óbvio - não pode ser, não há ninguém com esta doença na família (como se isso fosse relevante...)... Naquele Domingo, ao fim do dia, fazia xixi de garrafa de água na boca e durante a madrugada seguinte, começou a vomitar... Demos entrada no Hospital Pediátrico Dona Estefânia ao início da manhã. A enfermeira que fez a triagem fez-lhe imediatamente um teste à glicémia no dedito e ficámos lá. Tinha 350 mg/dl de glicose no plasma, uma cetoacidose moderada e uma otite média aguda à esquerda. Ainda sinto vertigens quando penso no turbilhão de informação que tivemos que absorver naqueles 5 dias de internamento - testes de glicémia, injecções de insulina, contagem de hidratos de carbono, cálculos de quantidades de insulina, pesquisa de corpos cetónicos na urina, procedimentos em dias de doença... Enfim, ficou a sensação avassaladora de que um pequeno erro pode acabar com as nossas vidas num instante... Valeu-nos a competência e a simpatia daqueles profissionais. Parece-me um tanto injusto referir nomes, mas recordo com especial carinho a Dra Eusébio, que nos acompanhou naquelas primeiras horas de pesadelo (com o Pedro todo entubado e completamente prostrado), com um cuidado, uma gentileza e sobretudo um respeito pelo nosso sofrimento, que, literalmente, me amparou a alma. Também recordo com muito carinho a Enf Garcez, que ainda foi o nosso socorro durante algum tempo depois da alta.
E passados 2 anos, é sobretudo a alegria de viver do meu menino que nos dá alento.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Enterovírus presente no sangue de diabéticos tipo 1 | ALERT® ONLINE

Enterovírus presente no sangue de diabéticos tipo 1 | ALERT® ONLINE

Embora ainda não sejam conhecidas todas as causas que levam ao desenvolvimento de diabetes tipo 1, um estudo recente sugere a possibilidade de os enterovírus (vírus que podem provocar sintomas semelhantes aos da gripe comum) poderem desencadear a doença.
Na meta-análise, publicada no "British Medical Journal", investigadores australianos, liderados por Maria Craig, do Children's Hospital Westmead, em Sidney, Austrália, avaliaram os resultados de 24 estudos moleculares sobre enterovírus realizados em 4.448 pacientes. Nas análises realizadas foram medidos os níveis de ARN (ácido ribonucleico) e de proteína viral no sangue dos diabéticos e pré-diabéticos para compará-los depois com pacientes que não sofriam da doença. Verificaram que, de facto, as crianças com diabetes tipo 1 tinham uma probabilidade 10 vezes maior de terem uma infecção por enterovírus do que aqueles que não tinham a condição.
Os investigadores referem o facto de, recentemente, ter havido no mundo um aumento na incidência de diabetes tipo 1 em crianças, especialmente entre as menores de cinco anos, o que poderia ser em parte explicada por uma maior exposição a esses vírus.
No editorial que acompanha o artigo, o virologista Didier Hober, da Universidade de Lille, em França, refere que "o aumento da incidência de diabetes tipo 1 pode ser explicado por factores ambientais, incluindo enterovírus como o vírus Coxsackie B ". No entanto, não está claro se os enterovírus estão relacionados com todos os pacientes ou apenas com alguns. "Os enterovírus poderiam actuar como indutores da doença ou acelerar o seu desenvolvimento. Uma infecção persistente ou várias consecutivas podem ter a ver” com o aparecimento da condição.
Os especialistas concordam que existe uma relação entre os enterovírus e a diabetes tipo 1, mas permanece desconhecido o mecanismo pelo qual essa relação acontece. "Talvez os pacientes com diabetes tipo 1 sejam mais susceptíveis a serem infectados por estes enterovírus”, questionam os investigadores.
ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Excesso de higiene pode afectar o sistema imunitário | ALERT® ONLINE

Excesso de higiene pode afectar o sistema imunitário | ALERT® ONLINE

Os agentes anti-microbianos utilizados em muitos produtos como sabões e pasta de dentes foram relacionados com um maior risco de alergias nas crianças, sugere um estudo publicado na revista “Environmental Health Perspectives”.
Dados de um estudo norte-americano revelaram que crianças e adolescentes que estão muito expostas a sabões anti-bacterianos que contêm triclosan podem estar em maior risco de contrair febre dos fenos e outras alergias, sugerindo que a limpeza extrema pode tornar as pessoas mais susceptíveis a estas doenças. O estudo também verificou que a exposição a maiores níveis do químico bisfenol A (BPA) pode debilitar o sistema imunitário dos adultos.
O triclosan é um agente anti-microbiano que se utiliza amplamente em produtos como sabões anti-bacterianos, pasta de dentes e produtos médicos. Crê-se também que o BPA, que se utiliza no fabrico de muitos tipos de plástico e outros produtos de consumo, afecte o sistema hormonal.
Neste estudo, os investigadores da University of Michigan, nos EUA, analisaram os dados do inquérito do National Health and Nutrition, NHANES, de 2003 a 2006. Compararam os níveis de triclosan e BPA na urina com os níveis séricos de anticorpos produzidos contra o citomegalovirus (pertence à família do vírus do herpes) e o diagnóstico de alergias ou febre do feno em adultos e crianças com idade superior a seis anos.
Segundo explicou, em comunicado, a autora do estudo, Erin Rees Clayton, “os maiores de 18 anos, que tinham níveis mais elevados de exposição ao BPA, possuíam níveis mais altos do anticorpo CMV, o que sugere que o sistema imunitário não estava a funcionar de maneira adequada.”
Os cientistas também descobriram que as crianças e adolescentes que tinham maiores níveis de triclosan eram mais propensos a serem diagnosticados com febre do feno e outras alergias. Allison Aiello, professora associada do Michigan University, apontou o facto de o triclosan poder modificar os microrganismos, aos quais normalmente nos expomos, de tal forma que afecte o desenvolvimento do sistema imunitário das crianças.
ALERT Life Sciences Computing, S.A.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Hemoglobina glicada (HbA1c)

A hemoglobina glicada (HbA1c) reflecte o nível médio de glicémia das 4 a 12 semanas que antecedem a sua determinação. A monitorização da HbA1c tem mostrado ser a melhor ferramenta para a avaliação do controlo metabólico e é a única medida para a qual há dados que permitem a sua relação com complicações micro e macrovasculares tardias. O objectivo é alcançar um valor de HbA1c que permita evitar estas complicações e simultaneamente evitar as sequelas associadas a hipoglicémias severas e as alterações do sistema nervoso central associadas tanto a hipoglicémias como a hiperglicémias.

No geral é recomendada uma HbA1c inferior a 7,5% para todos os grupos etários. No entanto, para cada criança deve ser definido um valor-alvo que seja o mais próximo do normal possível, evitando hipoglicémias severas e hipoglicémias leves a moderadas muito frequentes. Isto é particularmente importante nas crianças mais novas (com menos de 6 anos), que, por um lado têm uma maior dificuldade em auto-identificar os sintomas de hipoglicémia e, por outro, têm um risco aumentado de consequências neurológicas adversas resultantes da mesma. Neste caso, será apropriado definir um valor menos exigente.

Indicadores do controlo glicémico:

Avaliação clínica
Glicémia elevadanão elevadasem sintomaspoliúria, polidipsia e enuresevisão turva, pouco ganho de peso, atraso no crescimento, atraso da puberdade, frequência escolar comprometida, infecções de pele, infecções genitais e sinais de complicações vasculares
Glicémia baixanão baixapoucas hipoglicémias leves e nenhumas  severasepisódios de hipoglicémia severa (com perda de consciência ou convulsões)
Avaliação bioquímica
Glicémia no plasma (mg/dL):

pré-prandial 65 - 10090 - 145>145>162
pós-prandial 80 - 12690 - 180180 - 250>250
ao deitar 80 - 100120 - 180<120 ou 180 - 200<80 ou >200
nocturna 65 - 10080 - 162<75 ou >162<70 ou >200
HbA1c (%)<6,05<7,57,5 - 9,0>9,0

Retirado/adaptado de:
Rewers M, Pihoker C, Dohaghue K, Hanas R, Swift P, Klingensmith GJ. ISPAD Clinical Practice Consensus Guidelines 2009 Compendium. Assessment and monitoring of glycemic control in children and adolescents with diabetes. Pediatr Diabet 2009: 10: (Suppl. 12) 71–81.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Prevalência da Diabetes tipo 1 nas Crianças e nos Jovens

Segundo o Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes de 2010 - Diabetes: Factos e Números, a Diabetes tipo 1 nas crianças e nos jovens em Portugal (Registo DOCE), em 2009, atingia perto de 2 600 indivíduos com idades entre 0-19 anos, o que corresponde a 0,1 % da população portuguesa neste escalão etário, não tendo manifestado alterações significativas face ao ano anterior. 

2008 2009
N.º Casos Totais (0-14 anos) 1498 1559
Taxa de Prevalência da Diabetes tipo 1 (0-14 anos) 0,09% 0,10%
N.º Casos Totais (0-19 anos) 2420 2587
Taxa de Prevalência da Diabetes tipo 1 (0-19 anos) 0,11% 0,12%
Fonte: Registo DOCE (DGS); Tratamento OND

A incidência da Diabetes tipo 1 nas crianças e nos jovens tem vindo a aumentar significativamente nos últimos 10 anos em Portugal. Em 2009 foram detectados 17 novos casos de Diabetes por cada 100 000 jovens com idades compreendidas entre os 0-14 anos, perto do dobro do registado em 2000 (dinâmica semelhante à verificada no escalão etário dos 0-19 anos).

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

UT Southwestern researchers uncover potential 'cure' for type 1 diabetes

Mais uma luzinha ao fundo do túnel...

UT Southwestern researchers uncover potential 'cure' for type 1 diabetes.

"Insulin treatment has been the gold standard for type 1 diabetes (insulin-dependent diabetes) in humans since its discovery in 1922. But even optimal regulation of type 1 diabetes with insulin alone cannot restore normal glucose tolerance. These new findings demonstrate that the elimination of glucagon action restores glucose tolerance to normal."

Glucogen could become insulin replacement for type 1 diabetes treatment.

"This means that there is some other mechanism than insulin that is working to let the sugar be absorbed into the cells for use as fuel."

terça-feira, 25 de janeiro de 2011


The HypoMon is a non-invasive alarm system that identifies sleep-time hypoglycaemia (hypos) in children and adolescents aged 10 and 25 with Type 1 diabetes. Developed by Australian company AIMEDICS, HypoMon provides a safer night’s sleep for young people with Type 1 diabetes.

Um aparelhinho destes dava-me tanto jeito... Mas é como tudo o resto - um dia, quem sabe...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011


O conteúdo de uma das notícias de hoje, do Correio da Manhã (leia aqui), onde ficamos a saber que um pai de uma criança com diabetes tipo 1, teve que deixar de trabalhar para gerir a diabetes do filho, porque a escola “não tem funcionários com formação para acompanhar (o) Daniel e por isso não podem assumir a responsabilidade” do tratamento, faz-me pensar que vivo num país que sofre de esquizofrenia… Senão vejam (e passo a citar parte do PROGRAMA NACIONAL DE SAÚDE ESCOLAR):

"Do ponto de vista educativo, Escola Para Todos ou Escola Inclusiva é aquela onde todos os alunos devem aprender juntos, independentemente das deficiências, dificuldades, diferenças ou necessidades específicas que apresentem.
A diversidade é encarada como um factor de enriquecimento e de desenvolvimento.
A inclusão desafia a mudança, estimula a flexibilidade das relações e a redistribuição dos recursos, com vista ao seu mais correcto aproveitamento, estimula o trabalho em equipa e o envolvimento de toda a escola, dos pais e encarregados de educação, da comunidade e dos diferentes serviços.
Uma Escola Inclusiva deverá adoptar práticas pedagógicas diferenciadas, centradas na cooperação, envolver todas as crianças, aceitar as diferenças e apoiar as aprendizagens, respondendo, assim, às necessidades individuais.
O Ministério da Educação define Necessidades Educativas Especiais (NEE) de carácter prolongado como as que decorrem de graves dificuldades no processo de aprendizagem e participação, resultantes da interacção entre factores ambientais (físicos, sociais e atitudinais) e limitações acentuadas ao nível do funcionamento em um ou mais dos seguintes domínios: sensorial (audição e visão), motor, cognitivo, fala, linguagem e comunicação, emocional e personalidade e saúde física.
As crianças e os jovens deverão ter a oportunidade de viver numa escola que seja um espaço diversificado de aprendizagem e de saúde para todas.
Em Saúde Escolar, consideram-se Necessidades de Saúde Especiais (NSE) as que resultam dos problemas de saúde física e mental que tenham impacto na funcionalidade, produzam limitações acentuadas em qualquer órgão ou sistema, impliquem irregularidade na frequência escolar e possam comprometer o processo de aprendizagem.
Nem todas as crianças com Necessidades Educativas Especiais (NEE) têm Necessidades de Saúde Especiais (NSE), sendo a recíproca igualmente verdadeira.
A Equipa de Saúde Escolar é a interface entre a escola e os serviços de saúde. Por isso, sempre que se detecte uma criança ou um jovem com problemas de saúde física ou mental passíveis de afectar as suas aprendizagens, a saúde escolar deve designar um profissional da equipa para fazer o seu acompanhamento, conjuntamente com a educação, e mobilizar os recursos de saúde necessários para apoiar a sua inclusão escolar.
Este profissional da equipa de saúde escolar reúne e analisa toda a informação de saúde do aluno, quer ela provenha dos pais, dos professores, do médico assistente, ou de outros. Ao mesmo tempo, face às NSE do aluno, propõe as recomendações de saúde e as adaptações escolares, tendo em conta a Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde, na qual a funcionalidade de um indivíduo, num domínio específico, é uma interacção ou relação complexa entre a condição de saúde e os factores contextuais.
No contexto da intervenção de Saúde Escolar, as actividades de apoio à inclusão escolar de crianças com NSE deverão ser dirigidas para:
∙ Avaliar as situações de saúde, doença ou incapacidade, referenciadas pela escola e a eventual necessidade de encaminhamento;
∙ Elaborar o «Plano de Saúde Individual» (PSI) das crianças com NSE e propor a inclusão das recomendações de saúde no «Programa Educativo Individual» (PEI), cuja gestão compete a um docente de apoio de educação especial;
Gerir as situações de doença ou incapacidade, no espaço escolar, em estreita ligação com os pais/encarregados de educação e o médico de família/médico assistente da criança;
∙ Apoiar as equipas de intervenção precoce dos Jardins-de-infância, no acompanhamento de crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento;
∙ Participar na equipa pluridisciplinar que elabora o Perfil de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde das crianças com NSE, de acordo com a Classificação Internacional da Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) da OMS;
∙ Acompanhar a concretização do PEI e participar na sua avaliação.
Salienta-se, também, a importância de valorizar e dar prioridade à população jovem que frequenta os Centros de Formação Profissional e as Instituições de Apoio à Deficiência Física, Mental e Sensorial. É fundamental promover a elaboração de materiais de apoio especialmente adaptados às necessidades deste grupo, contribuindo para melhorar aí conhecimentos e comportamentos de saúde.
O apoio à inclusão escolar de crianças com NSE será complementado com orientações técnicas para as equipas de saúde escolar, a emitir pela Direcção-Geral da Saúde."
(Despacho n.º 12.045/2006 (2.ª série), Publicado no Diário da República n.º 110 de 7 de Junho)

Há aqui alguma incoerência, ou é impressão minha?

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

A propósito da pulseira de alerta médico

Há cerca de um mês, fui às compras com o meu menino e almoçámos no McDonald's (transgredir faz parte da vida e sabe tão bem!). Ao nosso lado sentou-se um senhor com duas meninas, que no fim da refeição reparou na pulseira do Pedro e perguntou-me porque a usava. No meio da atrapalhação (o miúdo usa aquilo há mais de 1 ano e nunca ninguém me perguntou nada), murmurei qualquer coisa acerca de ele não poder comer doces e não fui capaz de responder cabalmente ao homem... Passado um bocado nem queria acreditar na minha estupidez! Se me estiver a "ouvir" algures, apresento-lhe as minhas desculpas e esclareço que o Pedro usa a pulseira para que, numa situação anómala (como um acidente de automóvel, por exemplo) possa ser socorrido de forma apropriada. A ausência de células beta não é visível a olho nu e a equipa médica, por muito boa que seja, não adivinha que ele é diabético só de olhar para ele e como nesta doença uns poucos minutos podem fazer a diferença entre a vida e morte, a pulseira serve para lhe aumentar as hipóteses de sobrevivência. É tão importante quanto isso!
Já agora, esclareço também que o Pedro pode comer qualquer coisa, incluindo doces! A diabetes tipo 1 não é uma alergia alimentar. Pode, mas não deve, da mesma forma que nenhuma criança deveria. A diferença é que ele tem um motivo de peso para não dever... E pesa tanto...
Todas as crianças deveriam aprender a ter uma alimentação saudável e a guardar os doces e as batatas fritas para aqueles dias mágicos que guardamos para sempre no coração.